segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A morte

Postado por Mrysol Monick às 11:15
Reações: 
Lentamente vão se fechando os olhos
Em que os lábios arroxeados dão um suspiro
O coração estremece ofegando os sonhos
Afogando as lembranças em cada fim de respiro

A dor pouco a pouco vai rompendo a vida
Devastando as migalhas da existência
Pungindo a escuridão dos olhos á partida
Avassalando o último sinal de vivência

Retornando a aurora até findar em seu leito
Apaziguando as sombras do semblante fino
Velando um corpo que reside morto sem jeito
No qual em sua sepultura enterrará o seu destino

No ímpeto da memória extinguida em seu velório
Restaram somente as cinzas da carcaça dentro do caixão
A alma flutua velada a cada segundo do relógio
O coveiro enterra sua semelhança com exaltidão

No túmulo as flores morrem em favor do choro
Até que a solidão percorra novamente o cemitério
Regressando o silêncio das almas mortas
Em qual depois da morte reina o mistério...



1 comentários:

rohit .. on 20 de fevereiro de 2012 04:51 disse...

No meu sonho eu desejei deus que eu preciso de um anjo. .... ele enviou para mim ...... mas eu ter quebrado sua confiança .. agora que eu mereço o pior castigo ... eu sou ser humano ... Estou pronto para punição, mas desejando segunda chance ..... nenhuma ação .. sem drama .... porque a minha maior verdade ainda é mesmo (você não confia em mim mais) é que eu te amo ......

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário.
Fico muito feliz ^^

 

Pequena Poeta Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos