domingo, 23 de dezembro de 2012

Pobre menino

Postado por Mrysol Monick às 14:33
Reações: 
No morro periférico do turbulento semblante
exalam as cinzas da fumaça industrial
No rosto um sorriso perdido e distante 
no cair de uma lágrima sofrida e real

Anda o pobre menino descalço pela rua
imerso a fontes de violência bruta e infância perdida
no exílio da noite, nada é belo, nem as estrelas, nem a lua
o peso da dor é maior que o peso do seu corpo e vida

Mundo suburbano, como um cristal quebrado
Não há nada, nada feliz no choro da criança
Sozinha, no frio, com fome, vestes sujas e abandonada 
No meio da rua, não vive, sobrevive, já sem esperança


1 comentários:

Batuta Ribeiro on 7 de agosto de 2013 11:14 disse...

Linda poesia! Apesar de ser uma realidade bem triste, mas seus versos foram graciosos ao tratar do sofrimento que muitas pessoas passam todos os dias. Parabéns!

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário.
Fico muito feliz ^^

 

Pequena Poeta Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos